Protesto de caminhoneiros afeta fornecimento e gasolina chega a ser vendida a R$ 8,99 no Recife


Posto na Avenida Antônio de Góes, no Pina, tem litro da gasolina a R$ 8,99 (Foto: Reprodução/WhatsApp)


O preço do litro da gasolina chegou a ser vendido a R$ 8,99 nesta quarta-feira (23) no Recife após o abastecimento dos postos de combustíveis ser afetado devido ao terceiro dia de protestos dos caminhoneiros contra o aumento do preço do diesel. Alguns postos na Região Metropolitana fecharam por falta de combustíveis para revenda.

A mobilização dos caminhoneiros, que ocorre desde segunda (21), é nacional. Nos postos que continuam abertos na capital e no Grande Recife, motoristas formaram filas para abastecer que invadiram faixas de ruas e avenidas, complicando o trânsito. O Porto de Suape teve a operação comprometida e o número de viagens realizadas pelos ônibus na Região Metropolitana foi reduzido em 8% desde a manhã desta quarta.

Na tarde desta quarta, os caminhoneiros realizam protestos em diversas rodovias do estado. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-101, no Grande Recife, há dois pontos de manifestações: um no quilômetro 83, em Jaboatão dos Guararapes; outro no quilômetro 50, em Abreu e Lima. No Cabo de Santo Agostinho, houve bloqueio na via, encerrado às 15h50. Também em Jaboatão, houve manifestação no quilômetro 16 da BR-232, mas o ato foi encerrado às 16h30.

Em um posto localizado na Avenida Antônio de Góes, no bairro do Pina, na Zona Sul do Recife, o litro da gasolina passou a ser vendido a R$ 8,99 durante a tarde desta quarta. Na Avenida Agamenon Magalhães, na altura do bairro do Torreão, na Zona Norte do Recife, um posto vendia o litro da gasolina a R$ 6,99. Na Avenida Getúlio Vargas, em Olinda, houve postos que fecharam por causa da falta de combustíveis e outros em que a gasolina acabou.

Por meio de nota, o Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor (Procon-PE) informou que recebeu denúncias de práticas abusivas nos postos de gasolinas, de combustíveis sendo vendidos por R$ 9, o litro. Por isso, o órgão enviou equipes de fiscais para verificar os preços de venda do produto.

Três postos da capital pernambucana foram autuados pelos preços abusivos. Dois deles, localizados na Avenida Norte, no bairro de Santo Amaro, foram autuados. Os preços eram de R$ 5,599 e R$ 4,999. O outro estabelecimento é de Boa Viagem, na Zona Sul, onde a gasolina estava sendo vendida a R$4,899. Na segunda-feira (21) o preço do combustível, no mesmo estabelecimento, era de R$4,399.

Suape

Nesta quarta-feira (23), os terminais instalados no Porto de Suape, no Grande Recife, tiveram o acesso de caminhões interrompido por um grupo de manifestantes, segundo a administração do complexo portuário. Com a mobilização nacinal, a carga e descarga de produtos e as operações portuárias estão comprometidas. Ônibus e veículos menores têm acesso normal.

A Justiça Federal concedou liminar, na noite de terça (22), determinando que o Sindicato dos Condutores em Transportes de Cargas Autônomos de Pernambuco (Sintracape) autorize o acesso de uma empresa terceirizada, que transporta combustível aeroviário, ao Porto de Suape.

A Infraero apontou que os aeroportos operam normalmente nesta quarta (23) e que monitora o abastecimento de querosene de aviação por parte dos fornecedores que atuam nos terminais, além de estar em contato com companhias aéreas e órgãos públicos relacionados ao setor aéreo para garantir o fornecimento de combustível de aviação.

A medida atende a um pedido da União, já que o protesto afeta tanto a atividade portuária quanto a regularidade de fornecimento de combustíveis para o Aeroporto Internacional do Recife-Guararapes/Gilberto Freyre. Por volta das 9h, o Porto de Suape informou que os manifestantes permitiram o acesso dos caminhões que fazem transporte de combustível de aviação.

De acordo com a administração do porto, 12 navios estão na área do ancouradouro, por causa de indisponibilidade de área para armazenagem de mercadoria nos tanques. Até quinta-feira (24), o porto estima que outros navios sejam impedidos de atracar em Suape por causa da lotação da área para armazenagem ou falta de carga para embarque. Todas as empresas do porto organizado e embarcações tiveram o fornecimento de mantimentos interrompido.

As operações de embarque e desembarque de veículos foram canceladas devido à ausência de carga da fábrica da Fiat em Goiana, no Grande Recife, e em Betim, em Minas Gerais. De acordo com o porto, os silos da Bunge Moinho, que armazena trigo, estão quase sem capacidade de armazenamento, impossibilitados de receber o produto de novas embarcações e de realizar a distribuição para padarias e indústrias.

Com a paralisação, o Terminal de Contêineres (Tecon Suape) corre o risco de ter a operação comprometida, já que os equipamentos que fazem a operação marítima de embarque e desembarque dos contêineres (portêineres) necessitam de óleo combustível para funcionamento e porque não há escoamento das mercadorias por via rodoviária.

Na terça-feira (22), os manifestantes permitiram a entrada de um caminhão carregado com nitrogênio para o resfriamento do terminal da Ultracargo, que armazena produtos de alta periculosidade. O produto, não disponível no porto, é suficiente para operação até esta quarta-feira (23).

O gás de cozinha (Gás Liquefeito de Petróleo) que atende diariamente a cerca de 30 mil famílias e pequenos comércios em diversas cidades de Pernambuco sai de Suape. Desde segunda-feira (21), nenhum produto foi retirado do porto. O desabastecimento, segundo o porto, impacta 200 clientes diretos por dia, como hospitais, indústrias, restaurantes, hotéis e prédios residenciais.

O óleo combustível utilizado em geradores convencionais que funcionam em locais como hospitais, escolas e postos de saúde, também não saiu do porto, assim como a gasolina e etanol que estão no terminal.

A termoelétrica Suape Energia também não recebeu óleo combustível, que é transportado apenas por via rodoviária. Toda a carga encontra-se armazenada dentro do porto organizado.

Fonte: G1

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.