Na berlinda. Cid é intimado pelo STF para explicar propina

Agora é oficial, o ex-governador Cid Gomes (PDT) pode ser preso por receber propina superior a R$ 24 milhões da JBS. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, quer ouvir o ex-governador sobre a acusação feita pelo dono da JBS, Wesley Batista, em delação premiada na Lava Jato.

A delação envolve ainda o deputado federal Antônio Balhmann (PDT), que seria o intermediário do esquema de corrupção, responsável pelo recebimento do dinheiro. A decisão de Fachin foi enviada à Procuradoria Geral da República (PGR), nessa quarta-feira,13.

Segundo depoimento de Wesley, Cid teria recebido, em 2010, R$ 5 milhões como contribuição para reeleição e, como contrapartida, teria liberado créditos tributários de ICMS. Em 2014, o ex-governador teria pedido R$ 20 milhões, mas, diante da negativa, o deputado Balhmann teria intercedido, afirmando que o estado honraria pagamentos no valor de R$ 110 milhões para empresa.

A pedido da PGR, Fachin enviou em maio passado a delação para a Justiça Federal do Ceará analisar os fatos de 2010. Mas o juiz consultou novamente o ministro porque um dos fatos ocorreu em 2014 e poderia ser continuidade do primeiro e, na ocasião, Balhmann já era deputado federal.

Fachin pediu que a PGR os dois citados nas delações se manifestem sobre o caso para definir se o processo deve correr no Supremo ou na primeira instância da Justiça Federal.



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.