Críticas de Cid podem fazer com que Haddad não venha ao Ceará, admite petista


O presidente interino do PT não descarta a possibilidade de Haddad se afastar do Ceará neste segundo turno após o episódio (Foto: Reprodução)


Dirigentes do PT criticam fala do senador eleito Cid Gomes (PDT) em evento pró-Haddad, mas ponderam que é necessário cautela antes de tomar decisões a respeito da aliança no Ceará. O presidente interino do Partido no Estado, Moisés Braz, disse que Cid, irmão do presidenciável Ciro Gomes, foi infeliz em suas falas no ato realizado em Fortaleza. Já José Guimarães, coordenador da campanha de Haddad no Ceará, lamentou o episódio e disse que o PT foi tratado de forma "desrespeitosa" em um momento "inadequado". Segundo Guimarães, a declaração gera "desconfiança e incerteza" sobre a campanha petista.  

De acordo com Moisés Braz, as falas contundentes do pedetista refletirão no processo eleitoral do Estado e podem implicar, inclusive, na não vinda de Haddad ao Estado antes do pleito do dia 28 de outubro. O dirigente negou, entretanto, que PT e o grupo político de Cid Gomes tenham rompido, mas afirmou que vai ser preciso muito diálogo para desfazer o mal estar que as palavras do líder político causaram. 

Durante o evento ocorrido na segunda-feira passada, o pedetista defendeu que o Partido dos Trabalhadores reconheça "as besteiras" que fez ao longo de seus governos, enfatizando ainda que o ex-presidente Lula está preso. Em dado momento, ele chamou os militantes no local de "babacas" e lembrou também as articulações feitas no partido para inviabilizar a candidatura de Ciro Gomes ao Planalto durante toda a pré-campanha.

Moisés Braz informou que ainda nesta semana a agremiação deve se reunir para avaliar as falas de Cid Gomes, visto, inclusive, que haverá evento em prol da candidatura de Fernando Haddad no sábado, em Fortaleza. Segundo ele, o deputado federal José Nobre Guimarães estava em Brasília articulando a agenda do presidenciável no Ceará, o que segundo disse, pode, inclusive, ser prejudicado devido as críticas feitas por Cid Gomes. 

"O ex-governador Cid Gomes foi muito infeliz em suas palavras, mas achamos que ele direcionou suas críticas à militância petista que estava no local. Isso pode, sim, afetar a agenda do Haddad no Ceará, e não sabemos como ficará daqui pra frente", disse Moisés Braz.

Questionado sobre o momento mais contundente, quando Cid Gomes questionou a falta de um "mea culpa" por parte da direção do Partido dos Trabalhadores, Moisés Braz reconheceu que a crítica foi direcionada à cúpula do partido. Para ele, porém, o grupo político do senador eleito tenderá a apoiar Fernando Haddad "porque não há possbilidade de os FGs apoiarem o Bolsonaro".

Em nota, José Guimarães reafirmou "compromisso do nosso candidato com os cearenses e que tudo faremos para derrotar a facismo, o ódio e a truculência do nosso adversário (Bolsonaro). A eleição está em aberto". Por fim, apela por união dos "democratas" e diz que as aliança no Ceará pode ser discutida, mas após o segundo turno.

Fonte: Diário do Nordeste

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.