Pele de tilápia é usada em reconstrução vaginal de paciente trans após mudança de sexo - Araripe News

Pele de tilápia é usada em reconstrução vaginal de paciente trans após mudança de sexo


Pele de tilápia é usada em reconstrução vaginal após mudança de sexo (Foto: Viktor Braga/UFC)


Usando o método desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará (UFC) e na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC/UFC), uma equipe médica utilizou pele de tilápia para realizar cirurgia de reconstrução vaginal após procedimento de redesignação sexual de uma paciente trans de Campinas. A cirurgia ocorreu em São Paulo, nesta terça-feira (23). A UFC afirma ser caso inédito no mundo. 

A pele de tilápia já é usada no tratamento de queimaduras e na reconstrução vaginal em pacientes com síndrome de Rokitansky e câncer de vagina. Mas a intervenção em caso de mudança de sexo é inédita. 

O professor Leonardo Bezerra, do Departamento de Saúde Materno-Infantil e da Pós-Graduação em Cirurgia da UFC, responsável pelo trabalho de pesquisa com pele de tilápia em Fortaleza há três anos, participou do procedimento cirúrgico. Ele assegura que a cirurgia ocorreu “sem complicações”. 

Procedimento

Segundo informações divulgadas pela UFC, a paciente já havia sido submetida à cirurgia de redesignação sexual (de homem para mulher). Porém, sofria com problemas funcionais, e, por isso, passou por novo procedimento.  

O processo consistiu, inicialmente, na retirada de resíduos que ficaram das intervenções anteriores e impediam que a mulher tivesse relações sexuais. 

Com a criação da neovagina, entre o reto e a bexiga, foi a vez de utilizar a pele da tilápia para recobrir toda a cavidade vaginal criada, envolta em um molde que ficará na paciente de cinco a sete dias.  

A paciente reagiu bem e deve ter alta em uma semana, informou a universidade. 

Minimamente invasivo

O uso da tilápia evita que o enxerto seja feito com pele retirada de outras partes do corpo, geralmente do intestino, para aumentar a largura e o comprimento do canal vaginal. Portanto, é um método menos invasivo. 

Para o pesquisador Leonardo Bezerra, além da mínima invasividade, outra vantagem é o baixo custo do procedimento. 

É algo extremamente inovador. Já era inovador o uso da pele de tilápia na neovagina, porém a [síndrome de Rokitansky] é uma doença rara e tem pouco impacto, pois muitas pessoas nem sabem que ela existe. O uso em câncer também é raro, porque o câncer de vagina por si só já é raro. A ideia de utilizar pele de tilápia na cirurgia de redesignação é algo inédito”, explica. 

 “A perspectiva de uso da pele de tilápia já é comprovadamente mais segura, pois estudos anteriores do nosso grupo confirmaram a total ausência de infectantes e uma biocompatibilidade e ausência de rejeições fantástica”, acrescenta. 

O professor revela, ainda, que a ideia é, em breve, usar a pele de tilápia na cirurgia de redesignação propriamente dita, evitando um canal estreito e não funcional.  

Em médio prazo, o objetivo é usar a pele de tilápia como primeira prótese biológica de animais aquáticos em ginecologia. Além disso, segundo a UFC, também estão em andamento projetos de uso da pele de tilápia acelular para tratamento de incontinência urinária e prolapso genital (distúrbio provocado pela perda de sustentação de órgãos que constituem o assoalho pélvico).

Pesquisa pioneira 

Desenvolvida há cerca de três anos em laboratórios da UFC, em Fortaleza, a pesquisa revolucionou o tratamento, principalmente, para vítimas de queimaduras. O método já é utilizado em outros Estados como Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Pernambuco. E também fora do país, na Colômbia, Alemanha e Estados Unidos.

Em 2017, vítimas de um incêndio criminoso provocado em uma creche em Janaúba (MG) foram tratadas com o "curativo biológico". 

O uso inovador da pele de tilápia também já foi citado em séries de TV como "The Good Doctor" e "Grey´s Anatomy".

Fonte: G1

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.